domingo, 18 de maio de 2008

TODOS OS SENTIDOS, O POEMA


O vinho
doce
sabor da uva
da terra
molhada
pelas mãos
semeada

O suor
salgado
cheiro do labor
do corpo
cansado
do camponês
maltratado

A distância
amarga
visão da saudade
do peito
rasgado
pelo destino
esmagado

A injúria
azedo
toque da língua
da palavra
indevida
pela boca
proferida

O amor
agridoce
sentir da alma
dos sonhos
acalentados
pela realidade
guardados

O prazer
ardente
vibrar do corpo
ao toque
desejado
pelos dedos
provocado

Nenhum comentário: