terça-feira, 8 de junho de 2010

ME VOILÀ












Aproveito o vento
E vou, voilà
Voando, tafetá
Cá em cima
Vejo no mar
Velha canoa
À deriva rima
Uma rosa à proa
É meu norte
Bem à mira
Deixo-me à mercê
Da sua sorte
Num vôo rasante
Quase lhe cravo
Os dentes à folha
Mas, traíra
Se esquiva
Lasciva amante
E me criva
Sem escolha
De um quem sabe
Talvez, quiçá
De novo furtiva
Olhar pra você
Vá rosa, vá
Se solte
Na direção do vento
Caso ele volte


AnaCris Martins

Um comentário:

Sr do Vale disse...

E aí quem sabe...