terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

MORREMENTE...

Não é sequer um sopro
É somente um esporro
Um grito no ar rarefeito
Mecanicamente, bem feito

Sabe e executa milimétrica
Mente cada movimento
Necessário ao prazer
Mais pra pedra e cimento


Mas a alma assim calada
Não verte sangue, nem nada
Parece assim, estuprada
E morre a mente, aguada

Ana C. Martins

2 comentários:

Colombina disse...

Eu queria não me ver nessa poesia. Peço licença, vou trocar meus olhos.

Fouad Talal disse...

Saudações Ana...
belas são as tuas letras!
Um abraço!
www.versosdecor.blogspot.com