quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

MAL AMADA

Você pode tornar-se uma megera.

Mal comida, mal amada, sempre à espera daquele carinho, daquela atenção, daquela fodida boa... que nunca vem. Qualquer uma de nós mulheres, pode passar por isso.

E nem estou me referindo àquela hiper, mega, plus, máster, blaster fodida, não! Falo de uma “minimanente” boa. Aceitável. No mínimo, com vontade. Ou que pelo menos ela aconteça. Ou ainda que não seja só aquela foda mal dada, sem beijo na boca, rapidinha, de manhã porque tem que sair correndo pro trabalho. E que te deixa com cara de “né?” se perguntando por que ele não te comeu ontem à noite, quando você estava toda gostava e insinuante, de banho tomado, cheirosa, com uma camisola preta de fenda fantástica e decote suuuuper sensual, com tempo de sobra, em vez de se virar pro lado e dormir?

Aí, depois de muito esperar, você cobra. Chama o cara pra responsa. E ele, languidamente, solta a batatada fatal: mas você não sabe esperar, não deixa as coisas aconteceeeeerem.

E você, indignada, e já desfigurada de tanto desamor (pra não dizer óóóóódio), solta um longo e sonoro (mais precisamente, estridente!): COOOOOOOMO ASSIM? EU NÃO SEI ESPERAR?

Você fica atônita. Olhos arregalados (e vermelhos já de tanto chorar por sentir-se desprezada). Boca escancarada pelo queixo despencado no colo.

Não entende muito bem... esperar? Mas... mas... esperar quanto tempo? Reconciliação recente (recaída maldita!). Você estava esperando, sim, uma volta triunfal, depois de muita insistência dele e você, muito benevolente, aceitou. Você achou que o cara tivesse finalmente entendido todas as suas queixas – que não eram poucas, mas muito bem esclarecidas por você nas 122 DRs que foi - muito a contragosto – obrigada a fazer para tentar fazê-lo entender que relacionamento não se dá por osmose e não basta dividir o mesmo teto. Tem que participar!

Oras, você esperou sim! E muito! Uma, duas, três, quatro looooooongas semanas. Na quinta semana, você explodiu. E aíííí, você é loooooucaaaa. E aíiíííí, você não sabe esperar.

E sorte dele, que a TPM já tinha passado e você só mandou o cara dar o cu pro amigo com quem ele mora e com o qual você já acha que rola uma relação meio estranha. E o cara ainda exige respeito...

Você esperou 4 semanas. QUATROOOOOOO SE-MA-NAS! 30 respeitosos dias. Um clico LUNAR inteiro. Um clico MENSTRUAL inteiro. E ainda teve que passar heroicamente por uma TPM nessas condições adversas!

Aliás, fazendo um breve parêntesis sobre TPM...

Se vocês querem saber como se passa ileso por uma TPM, só há uma coisa a fazer. A única coisa que você precisa fazer - caro colega que carrega o sexo masculino no meio das pernas – É COMER BEM A SUA MULHER. Namorada, amante, esposa, casado, tico-tico no fubá, não importa. Basta que você a pegue com vontade, a coloque contra a parede – toda mulher gosta! - chamando-a de gostosa, que não se agüenta de tesão por ela, dando uma “encoxada” das boas por trás e depois na cama a faça delirar – claro – tem que garantir o prazer dela. Esteja atento. Tenha certeza de que está dando conta do recado. Porque dá pra saber, cara. Dá pra saber se ela está gozando sim! Se você já comeu uma mulher, você consegue sim saber se ela está gozando. É só você não se preocupar só com o seu pau. Porque se depois de tudo isso ela ficar chupando o dedo, aí sim, você vai conhecer a fúria de uma mulher de TPM.

Mas voltando a você amiga, que depois de tanto esperar ainda ouviu que não sabe esperar...

Aí você pensa! Porra! Eu fiquei um mês na seca! E tendo um (suposto) namorado, ou um homem! Ou como vocês queiram chamar um tipo desses. Na seca! Como você é fiel e o ama (ou pensa que ama, talvez seja mesmo uma “cisma”), você não deu o seu jeito com outro cara. Sim, porque se você estivesse sozinha, sozinha mesmo, sem ninguém e sendo uma mulher interessante, bonita, sensual e bem resolvida como você, com uns três na fila, você não teria nenhum problema pra dar o seu jeito. E como isso dói, não é amiga?

E ainda por cima sabendo, que mesmo que você, de repente, não estivesse afim de algo tão real (ou por pudores femininos - por receio de ser promíscua - ou até por receio de pegar uma doença, mesmo usando camisinha...) você ainda poderia lançar mão do bom e eficaz sexo virtual.

Mas você... você ficou esperando...

Tudo bem que o que você mais vai encontrar ali na internet é um bando de babaquinhas que não conhecem outras expressões, senão:

- e aí?

- Oi?

- Oi, tudo bem? (uma variação da anterior um pouco mais elaborada, o máximo que eles conseguem).

- Vc tem web cam?

Esta última expressão pode vir acompanhada de uma ou mais das 3 anteriores, talvez também com um – “quantos anos você tem?” ou um “onde você mora?”. Mas hoje em dia, por problemas de (falta de) vocabulário, de pressa (tudo rapidinho, lembra?), ou de excesso de cara de pau, uma boa parte já começa com ela. Vc tem cam?

Mas, com um pouquinho de paciência, você até encontraria no meio disso, um ser iluminado, conhecedor da alma feminina, interessado em fazer uma mulher sonhar e/ou delirar em sonho, por puro prazer.

E você teria passado bem essas 4 longas semanas.

É amiga, que bosta! Mas não, você ficou esperando... e não foi parada, não!. Você tentou. VOCÊ TENTOOOOU. Se insinuou, puxou conversas calientes, vestiu-se sensualmente, o provocou, pegou na mão dele...

Mas você não soube esperar...

E é por isso que eu, a cada dia que passa, mais me pergunto: porque é que eu não gosto de buceta?!?!?

Nenhum comentário: