terça-feira, 17 de abril de 2012

Ruminante


















E na densa cortina de fumaça
Eis o que os olhos não viam:
A fantasia versada perdeu a graça
As belezas do suposto amor jaziam

A palavra mal dita e enviesada
Sem um grito sequer, vocifera.
Descalabro de mente vil e perversa
Que em olhos alheios se espelha
E à própria ação torpe, reversa.

Esconde-se no ímpio mister, o cagão
Desfaz-se, farsante, em fina comiseração
Causa tamanho estupor, o tratante.
Que mata de desgosto a mulher
E de tédio, a amante.

AnaCris

Nenhum comentário: