sábado, 14 de abril de 2012

Amor fardo




E aí você acredita que ama
Porque se desespera
na possibilidade de nunca amar
ou não mais amar
ou na morte (do amor) prematura

Perde as asas debatendo-se
dentro do embuste murado
cercado de arame farpado
amor falseado, ferradura
forjado em flor-espinho-ciúme-nó

o outro engana-se
e você se deixa enganado

O amor nem nasce
já era ao pó, fadado

AnaCris

Nenhum comentário: