segunda-feira, 4 de julho de 2011

PAREM DE REPASSAR TEXTOS APÓCRIFOS, PELAMORDEDEUS!!!

Tenho ficado cada vez mais de cabelos em pé com a insistência dos internautas e até de  algumas pessoas públicas :o!!! em repassar textos como se fossem de autores mais conhecidos, sem o menor cuidado em checar a fonte! Disseminam desconhecimento sobre a obra de alguns autores de forma, que a meu ver, está até denegrindo, diminuindo seu trabalho. Todo escritor tem um estilo próprio e basta ler alguns textos com a devida atenção e logo percebe-se, tanto pelo estilo, conteúdo/ temática como pelo linguajar (português 'de época', brasileiro ou de Portugal, etc) que determinados textos não poderiam jamais ser daquele autor. 


Resolvi republicar este texto meu, de abril de 2010, porque continua muito atual - talvez mais ainda agora - visto que até pessoas que se pretendem escritores estão caindo no grave erro de fazer citações de apócrifos em seus textos
Muito cuidado: um bom escritor, além de ter imaginação e um estilo próprio de escrita, deve escrever de forma correta (ortograficamente), além de tomar o cuidado de citar e destacar (também de forma correta) textos de outrem! Isso é respeito pelo trabalho de outros autores e garante, entre outras coisas, que seu trabalho será respeitado... além de não correr o risco de ser sumariamente recusado por uma editora (pelo menos, as sérias!).  



Os falsos Quintanas: porque gosto muito do verdadeiro Quintana!



Tenho ficado triste por ver tantos textos "apócrifos" por aí, especialmente os atribuídos à Mario Quintana, poeta que é um dos meus preferidos e que tem textos muito inteligentes e de lirismo único!


Como gosto muito do verdadeiro Quintana, mesmo parecendo (ou sendo mesmo) uma chata, não consigo receber algo que não é dele com sua assinatura e não dizer: olha, não é do Quintana! Ele nem poderia ter escrito isso! Alguns textos até são bons (= do meu gosto), mas não importa: não são dele e não poderiam ter sido escritos por ele!


Quando sei o verdadeiro autor, o identifico. Martha Medeiros, por exemplo, é uma das que mais empresta textos ao Quintana (e ao Luis Fernando Veríssimo, e vários outros!). Gosto dos textos dela e no meu entender deveriam ser justamente atribuídos a ela.


Fica a dica de sempre procurar checar a verdadeira autoria de um texto e, na dúvida, mencionar o fato. Outra dica é: desconfiem de tudo o que acharem no site Pensador.net (que é alimentado pelos usuários) e quaisquer outros da net. Podem procurar que encontrarão sempre um mesmo texto atribuído a "n" autores diferentes. Até sem autoria (parecendo que é da própria pessoa que postou!).


O blog do Emílio Pacheco é um bom lugar para saber um pouco mais sobre os textos apócrifos, do Quintana e de outros autores. 
Vale a pena a visita: http://emiliopacheco.blogspot.com/2006/07/os-falsos-quintanas.html 


PELO VERDADEIRO QUINTANA, O PASSARINHO!


Em tempo, o texto que inclui estas frases: "Com o tempo você vai percebendo que, para ser feliz com outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela". E encerra com a afirmação clássica: "O segredo é não correr atrás das borboletas. É cuidar do jardim para que elas venham até você".  NÃO É DE QUINTANA!


AnaCris Martins

Nenhum comentário: