segunda-feira, 2 de maio de 2011

Colocando os pingos nos 'I's: silêncio: sapiência ou tirania?

É verdade que em momentos de discussões acaloradas, por vezes é melhor esperar os ânimos de acalmarem para seguir a conversa e evitar conflitos desnecessários ou até ofensas que só ocorrem no calor das emoções.

Mas o silêncio constante, a recusa à conversa necessária pode ser a mais torpe e cruel das tiranias numa relação. Porque não dá a prerrogativa de resolver, de colocar as cartas na mesa. Coloca o outro 'contra a parede', o encurrala, o deixa sem saída, sem parecer que o está fazendo.
Ou você cede ou ou você cede. Mas... tem uma 3a opção: cair fora.

Quem silencia só quer uma coisa: fazer valer sua opinião, sem o esforço da conversa e sem o risco de ter de ceder. Quem silencia não está disposto a, não quer ceder. Embora pareça sempre o 'bonzinho', o 'sensato' da estória.

Ceder ao silêncio do outro, à recusa em resolver as diferenças, é perpetuar um círculo vicioso quase sempre sem volta ou muito difícil de sair. Uma prisão, um ciclo onde ambos perdem.

As razões podem ser as mais variadas, claro: insegurança, medo de expor seus sentimentos, egoísmo mesmo (o outro é que tem que se adaptar), falta real de interesse (por isso não se importa em construir algo), medo de (ou não quer) se envolver, etc., etc., etc.  

Seja qual for a razão, se não há conversa, não há como resolver (pelo menos de forma madura). Então, o jeito é resolver-se, em geral, caindo fora. O outro vai te acusar de ser intransigente, de não querer entender (é mesmo? cadê a bola de cristal?) - vai inclusive passar a concordar com tudo o que você disser, afinal, você já resolveu, certo?. E vai tentar te deixar com remorso, com sentimento de culpa, claro: a responsabildade será toda sua.

Se isso ocorrer, não só caia fora, corraaaaaaaa!  Tome o seu rumo.
Sim, porque se você se revolve, você está, de forma madura, assumindo a responsabilidade pela sua felicidade.

AnaCris, colocando os pingos nos 'I's


6 comentários:

J.F. de Souza disse...

Mulher... No fim, a maioria, hoje em dia, foge. E foge pra não ter que olhar o outro nos olhos, pra não ter que enfrentar o outro, pra não ter que discutir.
[Eita, que eu tô viajando no negócio aqui...]
De qualquer forma, fugir para se resolver, ainda que seja uma atitude egoísta, é uma solução. Madura, até posso concordar. Mas covarde.

J.F. de Souza disse...

[Não leve a mal, não. Só tô viajando no tema, expondo a minha opinião.]

=*

AnaCris (Nika) disse...

Olá! Essa opinião de que a pessoa que se resolveu, está fugindo é a mais corrente, mas equivocada. É o que 'parece'.
Quem está fugindo realmente é a pessoa que não quer conversar, enfrentar o problema, refugiando-se no seu silencio: atitutde muito comum nos homens, mas não só. Pior, está sendo tirânico, impondo ao outro que aceite e pronto. Se o outro tentou, não conseguiu e está sofrendo,deve ficar sofrendo? Não lhe resta outra saída, porque isso de 'se resolver mantendo-se ao lado de quem faz isso é o mesmo que desistir de si memso. Somos responsáveis pela nossa felicidade. Se resolver é assumi-la. É este o pingo o i que estou justamente colocando aqui.
Não acho que a maioria foge, não. Pode ser que isso seja o que vemos mais, pelos meio em que vivemos. Mas a grande maioria das pessoas (principalmente mulheres) ainda mantém casamentos frustrados por não saber conversar e por medo de ficar sozinhas. Todos nós já mantivemos relações assim. Eu, por exemplo. Taí uma das coisas que aprendi: a não ser escrava do silêncio do outro. Também já silenciei e encurralei o outro em situação difícil. Mas isso é aprendizados de alguns anos de terapia...rs.

AnaCris (Nika) disse...

Ah! e isso de achar que é egoísta...hummm. mais uma noção corrente equivocada. sorry, egoísta é quem se fecha no seu silencio para não ter de ceder!

Raras coisas em um relação se resolvem só com o tempo. Geralmente o problema explode mais pra frente: ou em forma de briga feia, sem volta, ou em forma de doença somatizada de um (mto comum, mas pouco consciente), ou em forma de término da relação 'do nada' (sem o outro 'saber' por que).

Egoísta - e aqui o ponto de vista é psicológico, claro - é quem se cala e faz o outro refém!
É comum o verdadeiro 'egoísta' acusar o outro de sê-lo. Faz parte do jogo de manipulação do que mantém o outro refém.

nico disse...

É...
Parece que sim. E se não faz sentido dizer, o silêncio toma tudo, ele se torna o “Senhor”. E ao que arriscar dizer-se poesia, um poeta, ou montar uma barraca de pasteis ou dizer a quem o ouça, afinal, qual o sentido de um poeta que não ouse, e que não diga? Entendeu?

Beijo Ana bonita, muito bom!

AnaCris (Nika) disse...

Nico, acho que tendi...rs

tem uma frase por aí que diz mais ou menos isso... de ser 'senhor do seu silencio'. Mas creio que as pessoas tendem a usar essas máximas em qq situação e esquecem que sábio mesmo é saber o momento de colocar o seu silencio, de calar-se e o de colocar as palavras, de falar.
longo e árduo aprendizado. eu chego lá!

beijo procê também!
e obrigada!