domingo, 15 de agosto de 2010

DOS SENTIDOS














DESVANEÇO
Desfaço de suas conquistas
E quando te vejo
Me derreto


ARREMEDO
Rasgou-me as roupas
Teso remendo teço
Arremedo, sim
E soneto


VENTANEAR
Quando contrario o mundo
Não grito
Nem freio
Ventaneio


ANOITECENDO
Se me esqueço só
Anoiteço enfim
E me dou um nó
De lua de cetim


AMANHECENDO
Eu amanheço minhas dores
Não sei nem doer
Sem cores


DESCORTINADA
Minha janela (da alma)
Não tem cortina
Da paisagem escapa
A palavra
Tagarela!


ESTILHAÇOS
Que cruel destino
Seu amor
Me estilhaçou
Nem posso juntar os cacos


ENDEREÇO
De: teu
Para: tua
Endereço: um olhar, do outro lado da rua


DA GRATUIDADE
No meio fio
A palavra cruza
Na faixa


ESPALHAMENTO
Deito olhares
Espalho ilustres
Brilhantes no assoalho


DESFOLHANDO
Escolha equivocada
Me desfolho e engulo
Todo o orgulho
Depois que as folhas caem
A nudez é nada


RECONHECIMENTO
Retrato em parede
De quarto escuro
Espelho? Esconjuro!


ACONTECÊNCIA
Da janela do quarto
Quaresmeiras em flor
Jazigos enfeitam
Tamanha acontecência
Essa de tirar proveito
De coisa morta


PENSAMEN(TEAR)
Pensar é tecer
Num velho tear


Sentidos
Empareados, entrelaçados
Ponto-cruz


Fatos
Acentuados, atônitos
Anos-luz


Palavras
Abstratas, tônicas
Contraluz


Estes poemetos são 'parições' do "Eu? Eu não...' (postagem anterior).

Sobre este poema, Rosany Costa, poeta de primeira, fez uma linda declamação: ouçam e aproveitem para visitar o site dela, que é todo para nosso deleite e degustação!

obrigada pelo presente, Rosany!

http://www.rosanycosta.com.br/amigos/301-eu-eu-nao.html

A poesia não se encerra em si mesma. Porque tantas e tão diversas são as pessoas, ela sempre se desdobra...

E tantas poesias serão, tantas formas, tantas leituras, tantos sentidos...

3 comentários:

Sergio Quintian disse...

Amada Ama, digo Anda, digo Amo, digo Amor, digo Ana... Que saudade de vc! Querida amiga! Entrei no teu blog... Estou seguidor! Que universo lindo de carinho, emoção legítima, amor, paixão, amizade, bons fluídos... Meus sensores se enlevaram nas santas energias do teu espaço. Que Deus nosso senhor te abençoe e te inspire mais e mais a cada dia. São iniciativas como esta q nos salvam todos os dias e que fazem com q o nosso amado planeta seja preservado. "Um amor, mesmo pequenininho, dá conta do universo inteiro." -Quintian
Por isto ainda teremos muito o que compartilhar, neste nosso planeta mãe/ Terra/ Gaia/ UNO/ AMOR!Tu és,
ANA, POESIAVIVA!
Com imenso afeto, do teu mano Sergio Quintian.
(15 AGO 2010/ 17h)

A.S. disse...

Nika,

Gostei da subtileza das expressões, do delicioso jogo de palavras...
Como tu dizes, a poesia não se encerra em si mesma!

BjO´ss
AL

Cássio Amaral disse...

Bacana seu blog.

Muito obrigado pela generosidade.

Abraço.